O agronegócio mais uma vez foi o principal segmento da economia brasileira em 2016, confirmando a força do agro-Brasil. Segundo dados da CNA, o valor da produção foi de R$ 523,6 bilhões de reais: 5% a mais que em 2015. Além disso, a safra agrícola alcançou 186 milhões de toneladas de grãos – destaque-se que esse resultado foi 10% menor do que em 2015. O agro foi responsável por 38% das exportações, contribuindo para o equilíbrio da balança comercial (saldo de US$ 72 bilhões). O PIB do agro cresceu 3% em 2016, frente a retração de 3,5% do PIB do Brasil. Também de acordo com a CNA, o agro passou a representar 23% do PIB brasileiro.

As expectativas para 2017 são ainda melhores.  A safra de grãos deve superar 210 milhões de toneladas; a área cultivada poderá atingir 60 milhões de ha 16). Segundo o prof. José Otávio Merten, da Esalq/USP, “o Brasil continuará sendo o segundo maior produtor (recorde de 102 milhões de toneladas) e primeiro exportador de soja do mundo e o terceiro maior produtor e segundo maior exportador de milho do mundo. A produção de açúcar e carnes (frango, bovina e suína) continuarão a se expandir entre 2 e 5%. A safra de laranja, em São Paulo e Minas Gerais, deve alcançar 244 milhões de caixas (40,8 kg). A produção de cana deve chegar a 694,5 milhões de toneladas. A produção de café deve ser 51,4 milhões de sacas. O VBP da agropecuária deverá ser de R$ 552,5 bilhões em 2017, 5,5% a mais que em 2016. As lavouras vão contribuir com R$ 365 bilhões (66%) e a pecuária com R$ 187,5 bilhões (34%). O PIB do agro deve crescer 2% a 3,8%, frente a 0,5% do PIB Brasil”.