O agronegócio brasileiro representa 23% do Produto Interno Bruto nacional. Esse resultado foi alcançando com o trabalho de muitos brasileiros, não só do gênero masculino. De acordo com a 7ª edição da Pesquisa Hábitos do Produtor Rural da ABMRA (Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio), as mulheres têm tido um papel cada vez mais importante no crescimento da produção de alimentos.

Segundo a pesquisa, que ouviu 2.835 agricultores e produtores de animais de 15 estados de todas as regiões do país, a presença da mulher em funções de decisão nos empreendimentos rurais apresentou salto impressionante nos últimos quatro anos, triplicando sua importância na gestão da atividade rural de 10% para 31%. Ou seja: quase um terço das propriedades tem mulheres no gerenciamento.

Apesar de ser uma atividade historicamente masculina, as mulheres estão conquistando cada vez mais seu lugar na produção de alimentos – em propriedades de todos os tamanhos, inclusive as de grande porte.  A pesquisa Hábitos do Produtor Rural ABMRA também mostra que 49% dos entrevistados considera a participação da mulher nas decisões tão importante quanto a do homem.

A ideia de que certas profissões são “para homem” está mudando aos poucos, inclusive no campo, e quem sai ganhando com essa transformação é o país como um todo.